Ayurveda, Yoga, Unani, Siddha, Homeopathy, Historical Prospects of Ayurveda, Philosophy of Ayurveda, Basic Principles of Ayurveda, Ayurvedic Anatomy, Ayurveda Surgery, Ayurvedic Physiology, Ayurvedic Pharmacognosy, Ayurvedic Pharmaceuticals, Ayurveda Gynecology & Obstetrics, Ayurvedic Preventive and Social Medicine, Ayurveda Toxicology, Ayurvedic ENT & Ophthalmology, Language of Ayurveda, Science of Aphrodisiac, Gerontology, Psychiatry, Pathology, Poorvaardha, Uttarardha, Historical Prospects of Yoga, Philosophy of Yoga, Basic Principles of Yoga, Anatomy of Yoga, Applied Physiology of Yoga, Yoga Therapy, Yoga Sadhana, Yogic Relaxations and Meditation, Yoga and Rehabilitation, Yoga Asana, Yoga Shatkarma, Yogic Breathing, Yoga and Cultural Synthesis, Ashtanga Yoga, Mudras and Bandhas in Yoga, Loosening Exercise, Yogic Management of Stress for Executives, Personality Development by Yoga, Historical Prospects of Unani, Philosophy of Unani, Basic Principles of Unani, Anatomy of Unani, Applied Physiology of Unani, Unani Research Bio-Statistics and Methodology, Unani Clinical Methods, Principles of treatment & Pathology in Unani, Historical Prospects of Siddha Medicine, Philosophy of Siddha Medicine, Basic Principles of Siddha Medicine, Anatomy of Unani, Applied Physiology of Unani, Siddha Medicine and Surgery, Microbiology and Siddha, Medicinal Botany Siddha, Biochemistry-Siddha Medicine, Siddha Pharmacopea, Siddha Embryology, Siddha-Forensic Medicine and Toxicology, Siddha -Obstetrics and Gynaecology and Paediatric Medicine, Principles of Siddha Pathology including Clinical Pathology, Principles of Pharmacology and Medicinal preparation, Historical Prospects of Homeopathy, Philosophy of Homeopathy, Basic Principles of Homeopathy, Anatomy of Homeopathy, Applied Physiology of Homeopathy, Surgery & Homoeopathic Therapeutics, Homeopathy Pharmacy, Homoeopathic- Pathology, Parasitology, Microbiology, Homeopathy Repertory, Homoeopathic Material Media, Homoeopathic Obstetrics and Gynecology, Organon of Medicine, Organon of Medicine & Homeopathic Philosophy

Reader Comments

Está de parabéns

by Norma Paes (2017-12-09)


Sou mulher e, como tal, admito que somos pessoas complexas, com uma fardo hormonal que nos muda diariamente e cheias de pensamentos e ideias mirabolantes sobre a vida. Até a mais realista das mulheres já se imaginou em alguma outra situação de vida quando encontrada naqueles dias. Bom, deparei essa pequena e simpática lista de 10 coisas que os homens deveriam descobrir sobre as mulheres e suas reações a diferentes situações. Resolvi então compartilhar com vocês e ainda entregar o meu parecer, enquanto mulher, naturalmente, sobre os itens. Vamos lá?

MULHERES ADORAM SE ARRISCAR – AINDA MAIS QUANDO FICAM MAIS VELHAS


Depois da menopausa, quando o corpo para em estágio “avançado”, as mulheres passam a ser mais corajosas e não fogem de brigas – ao menos avançam em conflitos 75% de vezes mais do que em outro temporada da vida, principalmente se seus filhos já saíram de vivenda. Além disso, elas se sentem mas motivadas a cuidar de si mesmas e de sua curso, após bastante tempo que passaram tomando conta de outras pessoas.


m000197143.jpg?v=0&w=300&h=200

O que eu acho disso: Mulheres são criadas para ter muitas responsabilidades, aprender sobre ser esposa, estudar, ser mãe, trabalhar fora, ser formosa, agradável, simpática e delicada… Enfim, são tantas coisas que eu realmente acredito que chega um momento que simplesmente paramos e começamos a aproveitar um poucochinho das maluquices da vida também.


ELAS PASSAM PELA ADOLESCÊNCIA DUAS VEZES


A maioria das pessoas não ora passar pela juventude mais de uma vez – tudo muda, o planeta fica dissemelhante, seu corpo estaca diferente e os hormônios ficam enlouquecidos. As mudanças físicas e hormonais fomentam flutuações no humor e desconforto físico. E as moças precisam passar por tudo isso um par de vezes. A primeira no temporada normal, dos 10 anos em diante. A segunda em um período conhecido como perimenopausa, que acontece de antemão da menopausa, frequentemente a lascar dos 40 anos e duram cerca de nove anos. A mulher novinha chupando com a mênstruo fica desregulada, as mudanças de humor são abruptas. Uma senhora nesse período pode ficar tão amalucada quanto uma adolescente. Os homens também sofrem mudanças hormonais nesse período, porém elas são mais sutis.


O que eu acho disso: Não sei se eu concordo com esse item não, visto que um juvenil não tem muita consciência de vida, experiência, é completamente desligado de toda e qualquer responsabilidade. O temporada de perimenopausa é uma coisa mais hormonal da mulher, ela não estaca amalucada como uma jovem, ela sofre. Acho que neste detalhe o responsável do post original deveria apurar um pontinha mais de antemão de falar…


O CÉREBRO MUDA QUANDO ELA VIRA MÃE


As mudanças físicas, hormonais e sociais que uma mulher sofrem após entregar à luz são imensas. E, como tudo mudou, ela precisa seu planeta seja protegido e previsível (isso quer manifestar que o pai do seu filho deve se esforçar para se comportar da forma mas normal possível ). Uma mãe precisa de espeque, não só pelo muito dela, porém pelo bem do seu bebê. Ela precisa se comportar de modo adequada com seu rebento com o propósito de o desenvolvimento do temperamento e do sistema nervoso da garoto seja normal. Uma maneira que a mãe natureza criou para fortalecer o gavinha entre o filho e sua mãe é a criação – que, além de fazer bem para a menino, alivia o stress da mulher. Um estudo, publicado em 2005, indicou que amamentar é possível que ter o mesmo efeito relaxante no cérebro do que uma dose de cocaína.


O que eu acho disso: Dizem que realmente isso é verdade, eu nunca engravidei e amamentei logo só posso expressar por experiência alheia. Não sei se equivale verdadeiramente a uma dose de cocaína, mas a lactação cria os laços finais entre a mulher e seus filhos. Tudo na vida dos filhos é essencial para uma mãe, mas isso não é uma regra geral. Existe uma quantidade boa de mulheres que não se importa nem algo com este momento e realmente não nasceu para a maternidade.


O CÉREBRO MUDA QUANDO A MULHER ENGRAVIDA


A progesterona, um hormônio, aumenta sua concentração no organismo em até 30 vezes nas primeiras oito semanas de gravidez. O efeito dela é como um sedativo – logo as grávidas tendem a ficar muito sonolentas. O cérebro da senhora também encolhe 4% quando ela engravida, voltando ao tamanho normal uma vez que ela dá a luz, porém não se sabe se a embaraço faz com que ela pense de forma dissemelhante. Estudos apontam que hormônios liberados no corpo durante esse temporada podem motivar complicações de memória, mas nenhum elo entre esse efeito e a subtracção do cérebro foi encontrado. Poucos cientistas acreditam que várias áreas novas do cérebro se desenvolvem durante a prenhez e insistem em se desenvolver depois do nascimento do bebê.